Página Inicial > Mundo Virtual > Um Openoffice melhor do que o OpenOffice

Um Openoffice melhor do que o OpenOffice

Não, eu não vou falar sobre o BrOffice.org (que é o mesmo OpenOffice mas com as traduções para o Português Brasileiro e um nome diferente devido a problemas com registro de marcas). Eu falo aqui do mesmo OpenOffice, ou do mesmo BrOffice.org, que está instalado agora em seu desktop, notebook ou netbook, mas muito mais poderoso do que ele é agora.

O texto ficou bem extenso. Digitado no próprio OpenOffice, sem formatação, ele alcançou a marca de 8 páginas (meu recorde em um texto para o blog), mas no final valeu a pena e tenho certeza que será útil para quem lê-lo. Sendo assim, recomendo que você salve o endereço com carinho pois provavelmente você terá que ler em duas ou três vezes para conseguir chegar ao final.

A soberania do primo mais velho

De longe o Microsoft Office é o mais famoso e poderoso pacote de escritório existente no mundo. É notório que a competência que a Microsoft não teve para cuidar do Windows, ela teve com o MsOffice. Depois de quase 10 anos lecionando esta suíte, mesmo após ter migrado para outra tão oba quanto – ou melhor que – eu não poderia deixar de reverenciar esta espetacular suíte e que por muitas vezes já afirmei que é o melhor software já desenvolvido pela Microsoft.

Felizmente eu tive a mente aberta para experimentar novas ferramentas e embora nunca tivesse questionado a qualidade do venerável Microsoft Office, eu sempre almejei que existisse um algo mais no mundo dos pacotes para escritório.

Este desejo acabou por me fazer descobrir o velho StarOffice, da Stardivision, que depois passou a pertencer à Sun e depois foi aberto com o nome de Openoffice e daí dividiu-se para algumas dezenas de forks cada uma melhor do que o outro.

O bom e moderno Openoffice

Não encontrei nenhum artigo, ou texto que comparasse os recursos do Microsoft Office com os do Openoffice, mas lembro de alguns anos atrás ter encontrado um texto sobre o Msoffice 95 (ou talvez o 97) o qual o autor relatava ter enumerado mais de 50.000 funções só no Word. Como harduser de editores de texto e planilhas, que sou, posso afirmar que o Openoffice não fica pra trás e arriscaria o palpite de que possui muito mais do que isso, embora um usuário de nível mediano não chegue a usar nem 10% disso no seu cotidiano.

A mágica que nos torna poderosos

É muito fácil encontrar pela blogosfera textos de pessoas entusiasmadas com o poder de adaptação do Firefox e a quantidade de recursos que ele oferece graças ao uso de plugins, addons, extensions ou seja lá como você queira chamar pequenos programas que rodam dentro de um outro programa.

Estes “programinhas enxertados” aumentam a capacidade do Firefox e também do Openoffice. É desta forma que funciona: Você procura um plugin com a função desejada, instala-o no seu Openoffice.org e alguns segundos depois eis que a mágica acontece. O seu Openoffice.org agora é mais poderoso do que jamais fora antes.

Aqui a diferença entre o Msoffice e o Openoffice tem leve realce. Não por conta da incapacidade de usar plugins no Msoffice (que enganasse quem pensa que não existe). Sim! O Msoffice também possui esta capacidade, mas atualmente ela esta enfadada a execução de vírus de macros que são tão nocivas ao usuário que pouca gente ousa desenvolver plugins a acabar tendo a usabilidade de sua macro esquecida.

Um usuário cansado de tantos vírus em seu sistema, ao receber uma mensagem de que uma macro está prestes a ser executada logo a cancela, sem balbuciar ou mesmo ler sobre o que se trata aquela macro.

Nosso mago tem poderes ilimitados

O Msoffice limita-se as macros criadas em um dialeto do bom e velho Visual Basic que permite uma infinidade de recursos. Agora pense comigo: Se com apenas uma linguagem de programação é possível ter uma infinidade de recursos, imagine o que se pode obter com mais de uma linguagem?

O meu OpenOffice, na instalação padrão, suporta as linguagens Openoffice Basic, Python, Java e Javascript. Com um pouco de criatividade e habilidade de programação é possível criar praticamente qualquer tipo de plugin para nossa suíte “básica” e transformá-la num poderoso centro de gerenciamento de informações ou o que mais vier a mente tendo como lema o jargão de que “o céu é o limite”.

Encontrando e usando a poção mágica

Sabendo que tudo não passa de programação os nerds plantonistas certamente vão se desesperar para querer se enlamear nas suas linguagens favoritas criando um “Hello World” no OpenOffice. Torço que eles façam coisas boas e úteis, depois disso.

Mas o usuário mediano que chegou até aqui não necessariamente sabe ou quer desenvolver alguma coisa. E também não precisa, existe muita coisa boa pronta para uso.  Um ótimo lugar para começar a procurar é a página oficial de extensões do Openoffice.org [1]. Onde deve haver centenas ou milhares de extensões por lá. Nós só precisamos baixar, instalar, reiniciar o Openoffice e usar!

Uma vez que o arquivo de extensão .oxt (OpenOffice Extension) tenha sido baixado, a sua instalação consiste em abrir o Gerenciador de Extensão pelo menu Ferramentas do Openoffice, clicar no botão Adicionar, selecionar o arquivo baixado e pronto. Feito isso talvez você veja uma tela exibindo a licença de uso do software que você deverá lê-la até o final para que o botão “Aceitar” seja habilitado e assim a instalação seja realizada.

Salvo algumas exceções você não precisa configurar mais nada. Se precisar, no próprio gerenciador de extensões deverá surgir um botão “Configurar”, próximo ao plugin, com este fim.

Minhas poções mágicas preferidas

Que fique registrado, antes de mais nada, o mesmo aviso das propagandas de bebidas alcoólicas: “Beba/Use com moderação”. A instalação de todos os plugins que existem no mundo, só porque são bonitinhos e talvez um dia você precise resultará em um OpenOffice pesado e lento, então só instale aquilo que você realmente necessitar.

Diante deste alerta vou enumerar aqui algumas das extensões disponíveis no site já citado [1] que eu costumo usar, já usei, ou mesmo que encontrei e deixei o endereço anotado para que um dia, se precisar, saber onde tem.

Ferramentas de tradução

Vez por outra eu preciso traduzir um texto, durante a noite, e o sono bloqueia aquele cantinho do cérebro onde está a tradução para alguma palavra ou expressão que vai desvendar todo o enredo da história. Nestas horas nada melhor do que ter um tradutor para facilitar a parte mais pesada reduzindo o trabalho aos retoques da ortografia e gramática.

Eu particularmente tenho usado o TradutorOOoNote[2] que usa a API de tradução do Google, ou seja, você não precisa ter um dicionário completo instalado em seu computador. O plugin envia para o sistema da Google o trecho selecionado e recebe de volta a tradução para o idioma escolhido, desde que suportado pelo Google.

Existe também o OOTranslator[3], mas que é mais antigo mais eu nunca testei.

Editando arquivos PDF

Quem disse que arquivos PDF são somente para leitura precisa uma aula de Openoffice. Salvo algumas exceções arquivos PDF podem ser abertos no Openoffice, alterados a gosto do freguês e então salvos como PDF novamente.

A mágica não é nova, mas assim de forma tão direta só é possível graças ao plugin Sun PDF Import Extension[4]. Uma vez instalado você estará apto a abrir arquivos .PDF a partir do menu Arquivo/Abrir.

O documento será convertido e aberto no Openoffice Draw para edição. Observe entretanto que o Draw não é uma ferramenta de edição de textos, mas sim de diagramação, tal como o Corel Draw. Desta maneira, os textos podem ser editados mas não serão textos corridos, com o parágrafo completo. Cada linha de texto será tratada como uma linha independente e movê-las requer um trabalho de diagramação exigindo know-how e paciência.

Correção ortográfica e gramatical

Correção ortográfica atualmente e feita por qualquer editor de textos decente. Até o simplório Editor de de textos do Gnome faz isso. Mas alertar sobre erros gramaticais já é mais complicado. Para o idioma Português, que tem uma gramática das mais complexas então… Isso é um trabalho para o CoGrOO.

O CoGrOO – Brazilian Portuguese Grammar Checker[5] analisa o texto e verifica por possíveis erros gramaticais. Claro que de vez enquando ele escorrega e sugere coisas incoerentes, mas isto faz parte do processo de evolução do software que está longe da perfeição.

O corretor gramatical do Msoffice também não é perfeito, então 1 x 1 no placar geral. Instale-o em seu sistema e avalie se vale a pena. Caso não, simplesmente desinstale-o, ou reporte um bug para o grupo de desenvolvimento.

Sobre a ortografia, embora seja trivial, nada melhor do que ter um dicionário atualizado e moderno para o nosso Português que desde o início do ano passado deixou de ser exclusivamente tupiniquim e agora é internacionalizado graças ao acordo ortográfico. Ter o Vero[6] instalado é sinônimo de ter um bom dicionário para ortografia e hifenização, então não perca esta promoção por tempo “ilimitado” ;)

O café com leite e páginas numeradas

Um bom exemplo do básico que foi esquecido pelos desenvolvedores do OpenOffice, mas que graças ao poder dos plugins pode ser “reparado” é a falta de uma opção para inserir número de páginas. Durante anos eu sempre usei o bom e velho roteiro: menu Inserir/Rodapé; menu Inserir/Campos/Número da página.

Mas existe um plugin muito útil que simplifica este trabalho à um mero menu Inserir/Número da página. Veja o Pagination[7]. Com um simples comando, o trabalho de entrar duas vezes no menu Inserir é reduzido a um. Quando se abre o diálogo, perguntando tudo o que se precisa para colocar o número da página lá no cantinho.

Calculadora, pra que!?

Pode parecer idiota em uma primeira análise, mas já vi muita gente com uma planilha aberta e usando uma calculadora de mesa daquelas com bobina, fazendo um barulho irritante de impressão matricial.

Depois de um tempo de castigo trabalhando no setor de contabilidade do órgão onde trabalho, vi que não era idiotisse não, e a calculadora realmente fazia falta, mas me recusava a usar a maquininha barulhenta, então usava a calculadora do sistema com um simples pressionar da tecla “Calculadora” no meu teclado.

Para aqueles que não possuem um teclado com tecla de atalho para chamar a calculadora, pode achar utilidade para uma calculadora dentro do próprio OpenOffice. Para isso é que se propõe o PythonCalculator[8]. É só instalar e aposentar a maquininha da sua mesa de trabalho.

Só para nerds, colorindo o código fonte

Quando nós publicamos um código fonte em um blog, site etc. Geralmente o código fica colorido, tal como nós vemos nos editores de textos próprios para programação. Mas ao colocar este código em um documento para apresentação, tal recurso deve ser feito manualmente, ou melhor deveria, agora com o COOoder[9] tudo se resume a um clique no botão criado pela ferramenta, a escolha da linguagem e pronto! Seu código estará bonitão e apresentável para deixar seus colegas morrendo de inveja.

Outro plugin com esta mesma capacidade é o Code Formater[10]. Pode valer a pena saber que existem mais de um. ;)

Autotexto miguchês

O recurso de autotexto permite a inclusão de frases completas a partir da digitação de uma simples sigla. Por exemplo eu posso ter um autotexto configurado para que quando eu digite “wrb” e tecle <F3> o meu nome completo seja adicionado ao texto sem que eu precise digitar nada mais.

Com a onda do MSN, miguchês e outras frescuras, surgiram na Internet moderna centenas de variações para o tradicional smile representado pelo famoso símbolo :) e se isso não bastasse, agora ele é apresentado formatado, como uma imagem simpática que é substituída enquanto o usuário digita no seu e-mail ou comunicador instantâneo.

O Autotext – Emotikons[11] faz exatamente o mesmo, mas no OpenOffice. Ao digitar aqueles símbolos, tais quais os :) :( :x etc e teclar <F3> você terá a representação substituída pela imagem correspondente.

Mais uma para nerds de plantão. Controle de versões com Subversion

O controle de versões é um recurso clássico da área de desenvolvimento de aplicações, onde você mantém todos os arquivos do seu projeto em um repositório e de tempos em tempos, você poderá fazer um “commit” das alterações de forma que não só a última versão estará registrada em um local seguro, mas também será possível reverter e voltar para uma versão anterior a qualquer momento.

Aqui alguém mais experiente com o Msoffice e até com o OpenOffice poderia dizer: “Epa! Mas o “???Office” já em um sistema de controle de versões. Eu preciso mesmo disso!?”

A resposta para esta pergunta é sim e não. Sim, porque se você realmente usa este recurso sabe que o seu aquivo poderá ter um tamanho gigantesco após algumas dezenas de modificações e acabará deixando o seu sistema lento toda vez que você o abrir. Não, se você escreve apenas documentos pequenos e que são raramente alterados, e exclusivamente por você, e ainda, nunca se arrependeu de ter modificado um capítulo inteiro de sua dissertação às 2h da manhã e no dia seguinte gostaria de poder voltar atrás as besteiras que você leu agora com mais calma e menos sono.

Usando o OOoSVN [12] não há lentidão pois não será tarefa do OpenOffice gerenciar o gigantesco volume de alterações, e sim do Subversion, quem nasceu para isso. Consequentemente o arquivo será sempre pequeno.

Gestão de documentos

Um dos grandes problemas do mundo moderno é a dificuldade de se gerenciar o grande volume de documentos digitais existentes hoje. Simplesmente manter um documento em um drive de rede compartilhado não é mais suficiente.

Muitas vezes o documento só precisa estar armazenado lá por 2 anos, ou mesmo 2 dias, mas em geral se passa 10 ou 20 anos e o arquivo ainda está lá. Muitas vezes o seu autor nem sabe que ele ainda existe, ou se sabe já não serve mais pra nada e não vale apena ficar procurando onde está para apagá-lo, pois são apenas alguns “kilobytezinhos” que não fazem diferença.

Não sei muito sobre sistemas de gestão de documento mas alguns meses atrás eu dei uma procurada sobre o assunto e encontrei duas ferramentas que me pareceram bastante interessantes. São elas, o Alfresco[13] e O3spaces[14], mas existem outros tais como o Documentum, SharePoint (acho que da MS), o Open Text e outras.

Para quem conhece um pouco sobre ferramentas de versionamento (tal como o Subversion – que apresentei um plugin algum tempo atrás), os sistemas de gestão de documentos seria algo similar, mas, com muito mais recursos.

A ideia por trás destas ferramentas é agrupar os documentos em um local centralizado (tal como um drive de rede), mas permitir a gestão centralizada através de etiquetas de assunto, intervalo de tempo, permissões de acesso etc.

Desta forma pode-se agendar para que todos os documentos relacionados ao “Projeto Copa do Mundo 2014″ e marcados com a etiqueta “rascunhos”, por exemplo, sejam excluídas após o dia 01/01/2015, sem que ninguém precise se preocupar com isso no futuro.

Para os dois primeiros que citei há um plugin especifico que permite ao OpenOffice conectar-se diretamente à eles. O Sun Connector for Alfresco CMS[15] e o Web2.0 OpenOffice.org collaboration & document management extension[16], respectivamente para trabalhar com o Alfresco e com o O3Spaces Workspace.

OpenOffice nas nuvens

Cloud computing, ou computação em nuvem é o jargão do momento. Se você não faz ideia do que é isto então você está ficando velho e obsoleto. Logo, logo você e todos os serviços que você dá suporte serão substituídos por algum sistema remoto gerenciado por um consultor indiano que nunca porá os pés na sua empresa, e ainda assim será mais eficiente que você e por um custo bem menor do que o necessário para te manter ai sentadinho lendo este texto, ao invés de trabalhando. :)

Brincadeiras à parte, Cloud computing é a tecnologia – não tão nova assim – que “prega” o fato de que tudo deve estar longe do computador do usuário. Ele deve apenas ver uma interface bonitinha para realizar o seu trabalho, mas todo o conteúdo estará em um local muito mais seguro do que uma mera estação de trabalho que corre o risco de ser roubada, danificada ou violada (lembra-se dos antigos mainframes? Em uma primeira visão, a ideia é a mesma).

Existem dois plugins interessantes para o OpenOffice que permitem salvar os seus documentos na nuvem sem muitas complicações. Um deles é o Teamdrive OpenOffice.org plugin [17] que permite que os documentos sejam acessados e manipulados de maneira colaborativa a partir dos servidores da Teamdrive [18] ou nos seus próprios servidores, caso você deseje adquirir o sistema.

O outro é mais divertido, embora com menos recursos, permite que seus documentos fiquem, por exemplo, na nuvem da Google. O OpenOffice.org2GoogleDocs [19] (ou apenas OOo2GD) adiciona uma nova barra de ferramentas que permite que seus documentos sejam exportados ou importados de e para o Google Docs, Zoho, ou qualquer servidor Webdav, ao alcance de um clique.

Para nerds de outras áreas. Incrementando o Calc com o R

O R é uma ferramenta de estatística poderosa criada e mantida pelo R-Project[20] para dar a maior flexibilidade possível ao usuário. A grande vantagem do R, em relação aos seus concorrentes, é que ele é livre e possui uma ativa comunidade de desenvolvedores e usuários no mundo inteiro.

E engana-se aquele que pense que somente quem conhece software livre é quem conhece o R. Dê uma procurada no Google por Cran-R ou R-project e tire as suas conclusões.

Agora, considerando que você se convenceu dos poderes do R, imagine se você pudesse domar tudo isso com a modesta interface do OpenOffice Calc? Se você acha a ideia legal, então o R4Calc[21] é pra você.

Blogando direto do OpenOffice

É inegável que o WordPress, Blogger, Movable Type entre outros sistemas de blog estão a cada dia mais poderosos no quesito edição de texto. Mas eles ainda precisam tomar muita vitamina de abacate para ficar tão poderoso quanto o OpenOffice.

Pensando nisso a Sun criou o Sun Weblog Publisher [22] que permite ao escritor enviar seu trabalho diretamente do OpenOffice para o seu blog sem muita dificuldade. E não é uma mão de via única, não. Você também pode resgatar um texto já publicado, editá-lo e enviar novamente.

O plugin se integra ao OpenOffice de maneira que no menu Arquivo, no menu de contexto e até nas barras de ferramentas você terá alguns botões adicionais para enviar ou pegar os textos com mais facilidade.

Salvando de todas as maneiras

Com relativa frequência eu tenho que salvar um documento que acabo de fazer e em seguida exportá-lo para PDF e/ou documento do Word. Esta é uma tarefa simples, mas chata de se fazer porque é preciso salvar o documento duas ou três vezes.

Pensando nisso a StarXpert criou um plugin chamado Multisave[23] que em um único clique o permitirá salvar nos três formatos mais populares de uma só vez.

Cliparts, modelos e além

Não apenas de plugins se faz uma boa suíte de escritório. De que adianta você ter uma suíte espetacular se na hora de criar uma simples apresentação, você tiver que perder horas desenhando todo o layout na mão ou todas as figuras que irão ilustrar o trabalho?

No site de extensões há muito mais do que já mostrei. Uma busca por Oxygen[24], Gallery e Templates, por exemplo, irá retornar dezenas de pacotes de imagens e modelos de documentos prontos para uso. Oxygen é o nome de um fork do OpenOffice chamado de OxygenOffice e que distribui o Openoffice com diversos recursos adicionais.

Finalizando

Eu apresentei nestes poucos artigos alguns plugins para turbinar o seu Openoffice. Mas como disse estes foram apenas alguns existentes em meio a centenas e talvez milhares que estão disponíveis para download.

Seria impossível relacionar todos eles em um único texto, mas duvido que destes poucos que apresentei, você não se interesse por ao menos um deles. E ainda que aconteça, certamente você será automaticamente induzido a procurar por algum que faça extamente o que você precisa.

Agora é com vocês. Basta procurar os plugins desejados, instala-los e pronto. Como eu disse no início do texto, você terá um OpenOffice mais poderoso que o OpenOffice.

Referências e downloads

[1] Openoffice.org Extensions. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org>. Acessado em 03-04-2010

[2] Rosa, Claudemir de Almeida. TradutorOOoNote. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/node/3661>. Acessado em 03-04-2010

[3] Indictrans Technologies. OOTranslator. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/ootranslator>. Acessado em 03-04-2010

[4] Sun Microsystems Inc. Sun PDF Import Extension. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/pdfimport>. Acessado em 04-03-2010

[5] CoGrOO Team. CoGrOO – Brazilian Portuguese Grammar Checker. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/cogroo>. Acessado em 04-03-2010.

[6] “Ohallot”. Vero – Brazilian Portuguese Spellchecking Dictionary & Hyphenator. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/Vero>. Acessado em 04-03-2010

[7] Brunet, Charles. Pagination. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/pagination>. Acessado em 04-03-2010

[8] “grrodri”. PythonCalculator. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/PythonCalculator>. Acessado em 04-03-2010

[9] Bosdonnat, Cédric. COOoder. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/coooder>. Acessado em 04-03-2010

[10] “Pitonyak”. Code Formatter. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/CodeFormatter>. Acessado em 04-03-2010

[11] Schnabel, André. Autotext – Emotikons. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/autotext_emoticons>. Acessado em 04-03-2010

[12] Holness, Ed. OOoSVN. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/OOoSVN>. Acessado em 04-03-2010

[13] Alfresco. Disponível em <http://www.alfresco.com/>. Acessado em 04-03-2010

[14] O3Spaces Document Management and Collaboration. Disponível em <http://www.o3spaces.com/>. Acessado em 04-03-2010

[15] Sun Microsystems Inc. Sun Connector for Alfresco CMS. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/alfrescoconnector>. Acessado em 04-03-2010

[16] O3Spaces BV. Web2.0 OpenOffice.org collaboration & document management extension. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/2>. Acessado em 04-03-2010

[17] Teamdrive Systems. Teamdrive OpenOffice.org plugin. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/TeamDrive>. Acessado em 04-03-2010

[18] Teamdrive secure collaboration anywhere. Disponível em <http://www.teamdrive.com>. Acessado em 04-03-2010

[19] Przemyslaw Rumik. OpenOffice.org2GoogleDocs. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/ooo2gd>. Acessado em 04-03-2010

[x] R Project. Disponível em <http://www.r-project.org/>. Acessado em 04-03-2010

[21] “Wojciech”. R Statistics for OOoCalc. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/R4Calc>. Acessado em 04-03-2010

[22] Sun Microsystems Inc. Sun Weblog Publisher. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/swp>. Acessado em 04-03-2010

[23] StarXpress. Multisave. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/en/project/MultiSave>. Acessado em 04-03-2010

[24] OxygenOffice Extensions. Disponível em <http://extensions.services.openoffice.org/taxonomy/term/34>. Acessado em 04-03-2010

  1. Nenhum comentário ainda.
  1. Nenhum trackback ainda.