Quão segura a sua lista telefônica?

Caso a sua lista telefônica seja roubada você e seus contatos poderão acabar sendo vítimas de trotes, golpes de sequestro, investidas de vendedores e dezenas de outras possibilidades que no mínimo serão desagradáveis. Fica então a minha pergunta para que você possa responder nos comentários, após ler este texto que escrevi baseado no tema da minha monografia do curso segurança de rede de computadores: Quão segura é a sua lista telefônica?

Certa vez li um provérbio oriental (não recordo as palavras certas e nem de que cultura era) que dizia que quando dois viajantes se encontram numa estrada e trocam seus pães, cada um vai embora com apenas um pão. Mas se eles trocam ideias, cada um vai embora com duas ideias.

Este proverbio que embora tenha sido escrito há centenas ou milhares anos atrás, está bem atualizado e demonstra a importância de se estar sempre em dia com as informações que circulam a nossa volta. Vivemos em uma época em que a informação é o bem mais valioso produzido pela humanidade. Quem troca ideias e informações sempre possui mais informações do que quem as guarda para si. Não só os grandes homens de negócio sabem disso, mas os criminosos também.

Dito isto e sabendo-se que atualmente nós temos uma média aproximada de 90 celulares para cada grupo de 100 brasileiros[1] é possível especular que aproximadamente 90% da população corre risco de ter seus aparelhos perdidos ou mesmo furtados e que muitas vezes vão parar nas mãos dos nossos “queridos e amados bandidos” que nós sustentamos nos presídios.

Prejuízos causados pela perda/roubo de um aparelho celular

Não vou discutir a questão do valor do equipamento em si, já que independente do aparelho custar R$200,00 ou R$2.000,00, o seu ex-proprietário sabe exatamente o valor da sua perda financeira no momento em que vê o bandido correndo com seu aparelho, ou se dá conta que esqueceu o aparelho em um local público e não consegue mais contacta-lo.

O que muitas vezes não se sabe é valor da perda futura, quando o aparelho lotado de números telefônicos caírem nas mãos de grupos de bandidos que praticam golpes por telefone e ai a situação pode se inverter e o furto de um aparelho de R$ 200,00 poderá vir a causar um prejuízo maior do que o furto de outro 10 vezes mais caro.

Imagine a situação hipotética em que um cidadão de bem andando pela rua é abordado por um criminoso e por sorte só perde a carteira com todos os seus cartões, documentos e o aparelho celular (infelizmente temos que dizer “só”, pois ele ainda poderia ter perdido a vida).

Imediatamente ele procura a delegacia mais próxima registra a ocorrência, contacta a operadora dos cartões para suspendê-lo e a operadora celular para bloquear o aparelho. Embora revoltado com a política de segurança e chateado com a perda financeira e a burocracia que será para conseguir tirar nova via de todos os documentos, ele está feliz por estar vivo e acha que o risco maior já passou. Mas talvez a novela apenas tenha começado.

O seu aparelho telefônico poderá ser trocado por drogas ou parar em uma feira de produtos roubados onde alguém o comprará a preço de banana. Mas o pior é que antes disso acontecer os bandidos podem simplesmente acessar a agenda telefônica contendo centenas de números telefônicos que serão usados para golpes de sequestro por telefone. Para quem não sabe do que se trata, uma busca no Google por “golpe do sequestro telefônico” resulta em mais de 300.000 ocorrências de notícias, testemunhos, sugestões etc[2].

Mais do que apenas a agenda de contatos

Claro que não basta proteger apenas a agenda telefônica. Se o seu aparelho tiver uma lista de mensagens SMS visível, será possível não só coletar alguns números de telefones, mas também algumas informações para contribuir com o trote.

O que dizer então daquelas fotos com a galera ou fotos da família em que os bandidos poderão usar para persuadí-lo descrevendo detalhadamente o seu ente querido que foi supostamente sequestrado?

Ou ainda a gravação de voz que você vez de uma reunião para depois ouvi-la com calma e transcrever em uma ata.

A agenda de compromissos e a lista de tarefas também podem ser fontes de informações valiosas que poderão acabar sendo usadas para executar até mesmo um sequestro real.

O que dizer então dos poderosos smartphones atuais como Blackberry, iPhone, Nokia n95 e similares?  Só em imaginar que algumas pessoas usam ainda programas de controle financeiro, anotam senhas de cartões e contas bancárias e outras informações mais críticas em seus aparelhos sem um mínimo de segurança, eu já fico arrepiado.

De acordo com o que os aparelhos de telefone celular adquirem mais poder de processamento e recursos, tornando-se uma mini central de comunicações e controle pessoal, o risco de ter informações que possam levar seu proprietário e seus conhecidos a estarem em risco de segurança torna-se exponencialmente maior.

Protegendo-se

Para evitar que a suas informações pessoais caiam em mãos erradas a solução é protegê-las com senha, criptografia ou algum outro meio de segurança – desde que o seu equipamento permita. Caso o seu equipamento seja muito simples não permita nada disso a solução seria não usar a agenda telefônica do aparelho, mas sim a do chip que permite a utilização de senhas de acesso.

Baseado na premissa que em tecnologia nada é impossível ou se for hoje, amanhã não será mais, podemos dizer que tanto a senha do aparelho quanto a do chip podem ser quebradas com pouca ou muita dificuldade. Mas de qualquer forma bandidos desesperados para se livrar logo do aparelho, não irão perder muito tempo tentando e logo descartarão aqueles que oferecerem maior dificuldade e desta forma se você não evitar 100% dos riscos ao menos reduzirá para uma taxa bem menor – eu arriscaria até o palpite de redução em 50%.

Comumente as opções de segurança encontram-se em “Menu”>”Configurações”>”Segurança” mas a forma como proteger  o seu aparelho contra acesso indevido varia muito entre eles, mesmo entre aparelhos de mesma marca o que torna inviável colocar uma receita bolo genérica. Em geral uma leitura no manual do aparelho revela ser um procedimento simples, ou senão basta bisbilhotar as opções dentro da seção de configurações do aparelho onde deve haver uma especifica para segurança.

Além disso há alguns programas que podem ser instalados em seu aparelho celular para aumentar a segurança. Em uma simples consulta no site de downloads Softonic, na seção “Celular” e categoria “Segurança” [3] eu encontrei 4 softwares: FileLock, dSafe, Keepass e PasswordSafe. A mesma procura no famoso site Getjar, retornou uma quantidade ainda maior de software (23 no total), entre eles aplicações para criptografia, antivírus, bloqueio etc [4].

Voltando então ao título do texto e respondendo a minha pergunta digo que eu sou paranoico por segurança e por conta disso eu ativo todas as opções de segurança do meu aparelho. Se eu for um dos infelizes premiados a perder ou ter o celular roubado, o camarada que pegá-lo vai ter um bocado de trabalho para acessar os recursos do aparelho, pois tenha senha para tudo. Claro que digitar uma senha a cada vez que você precisar consultar a agenda ou precisar acessar a pasta de fotos pode ser um pouco desconfortável, mas este é preço que pagamos pela privacidade e segurança.

E você quais são as proteções que você tem para garantir que sua agenda não será violada por terceiros?

Referências

[1] Marques, Gerusa. Número de celulares no País chega a 166,1 mi em setembro. Agencia Estado. Disponível em <http://www.estadao.com.br/noticias/economia,numero-de-celulares-no-pais-chega-a-1661-mi-em-setembro,454759,0.htm>

[2] Google. Resultado da busca por “Golpe do sequestro por telefone”. Disponível em <http://www.google.com.br/search?q=golpe+do+sequestro+por+telefone>.

[3] Softonic. Seção de softwares para segurança de celular.  Disponivel em <http://www.softonic.com.br/celular/seguranca>

[4] Getjar. Best Security Applications. Disponível em <http://www.getjar.com/mobile-security-productivity-applications/>

3 ideias sobre “Quão segura a sua lista telefônica?”

    1. Obrigado pela visita Carlos,

      Você não é o único a temer. Quando esqueço o celular em algum lugar eu fico em pânico – não pelo aparelho em si, mas pelos dados que estão armazenados lá e que há muito tempo deixaram de ser meros nomes e números telefônicos. Alguns dias atras minha esposa perdeu o celular que havia dado à ela, a coitada ficou desesperada pois todos os contatos pessoais e profissionais estavam nele, felizmente ela o encontrou na carteira da sala de aula onde havia estudado no dia anterior.

      Acho que o medo de perder o celular é um mal dos tempos modernos. Adaptando um provérbio popular bem xulu, mas usando o termo menos pesado e correto para a ocasião, arriscaria dizer que “quem tem celular tem medo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *