FTP como unidade de rede no Windows, MacOS e no Linux

Veja como usar o protocolo FTP como drive virtual online ao estilo Mozzy, aDrive, DropBox etc só que de graça e limitado apenas as capacidades do seu serviço de hospedagem e entre na moda da computação em nuvem.

Uma explicação rápida

Um velho conceito que começa a levantar poeira como algo novo: O Cloud Computing (ou computação em nuvem) que – em uma visão minimalista – nada mais é do que usar recursos computacionais que não estejam no computador local.  Desta maneira, se você só tem sistema operacional na sua máquina e o restante (aplicativos e dados) residem em algum lugar do ciberespaço parabéns, você está na moda 😉

Ainda em uma exemplificação minimalista podemos dizer que usar aplicativos web como o Google Doc, por exemplo, salvar dados na Web como se faz com Dropbox e aDrive são exemplos simples de Cloud Computing.

Eu já testei o Ubuntu One e além da limitação dos 2GB, sofro com a questão de sincronismo de arquivos entre as máquinas. Justamente os arquivos que preciso são os que ele não sincroniza. Concorrentes existem, já até citei alguns, mas já que é pra mudar que seja para algo com mais espaço.

Eu procurei por soluções similares e livres para que eu pudesse instalar em algum dos meus servidores, mas não achei. O samba não é adequado para conexão Internet e sim para LAN. O SSH embora pudesse servir no Linux, para Windows precisaria-se sar um aplicativo diferente do gerenciador de arquivos padrão (Windows Explorer) e o mesmo com o Mac OS. Foi ai que lembrei do FTP.

O FTP

É ai que entra o FTP. Este protocolo é tão antigo quanto a própria Internet e por isso necessita de muitas melhorias, mas como dizia a minha avó “panela velha é que faz comida boa”.  Mas justamente por ser bem antigo é bem difundido ele é suportado por praticamente 100% dos sistemas operacionais existentes (e olha que existem muitos). Baseado nisso resolvi procurar por maneiras modernas de se utilizar o vovô da Internet.

Para Windoxs e Mac OS

Em uma busca no Google por FTP como drive virtual eu encontrei dois artigos no site GusSOS onde o autor mostra como Mapear FTP como um drive no Windows usando uma ferramenta antiga da Novel, e em outro artigo ele mostra como Mapear ou montar um FTP, SSH, NTFS como drive no Mac com o MacFuse onde se usa um outro software criado por uns funcionários da Google.

Sendo assim não vou descrever para estes dois sistemas já que além de não ter experiência com aqueles sistemas, os textos sobre o assunto estão bem claros para serem entendidos.

Para Linux

Para Linux, como não existe o conceito de mapear letras de unidades, a coisa é mais fácil. É só montar o compartilhamento como uma pasta e pronto.

No ambiente Gnome, especificamente no menu “Locais”, há a opção “Conectar ao servidor” onde basta informar o tipo do servidor (FTP, SSH, SMB, WebDAV etc) e o endereço do servidor e o nome do usuário. Ao clicar no botão “Conectar” será pedida a senha e o gerenciador de arquivos Nautilus se abrirá exibindo todo o conteúdo do servidor.

Caso você queira criar scripts de automação, certamente precisará montar o FTP a partir da linha de comandos. Para isso existe duas maneiras que envolvem o uso do FTP como sistema de arquivos sobre o FUSE (Filesystem in User Space).

Uma é a descrita em por Jim McIntyre no seu texto Mount FTP volumes locally with ftpfs“, publicado no site TechRepublic, onde ele explica desde a compilação do módulo para o kernel até você ter o servidor mapeado como um disco de rede.

A outra foi a que eu descobri garimpando o meu sistema com o dpkg -S, apropos, whatis etc que usa o comando curlftpfs.

CurlFtpFS

O CurlFTPFS permite acessar um servidor FTP usando como backend as ferramentas FUSE e Curl (daí o seu nome) e desta forma mapear a estrutura do seu servidor FTP em um diretório local, tal como ocorre com “outros tipos de disco”.

Para instalar (no Ubuntu) basta usar o Synaptic, que está no menu Sistema/Administração ou o bom e velho aptitude:

sudo aptitude install curlfusefs

Após instalá-lo, para evocar o comando basta usar a seguinte linha de comando:

curlftpfs -o seulogin ftp://seuservidor.com.br caminhopastalocal

Feito isso tudo que você fizer no diretório “caminhopastalocal” será refletido no servidor. Se você salvar, excluir, renomear um arquivo ou pasta ali, na verdade estas ações estão acontecendo lá servidor que você poderá acessar a partir de qualquer outro computador da mesma maneira.<

Conclusão

Claro que isto só é a gota do oceano no mar do Cloud Computing. Mas é por ai o caminho. Alguém poderia questionar se não seria melhor fazer isto com o Samba que é próprio para isto e ainda é suportado nativamente na Windows, a resposta é “talvez”. Para uma conexão dentro de uma rede local é válido mas honestamente eu não arriscaria usa-lo em uma conexão Internet. Claro que baseado neste conceito você poderia usar o sshfs, webdav, Rsync entre outros protocolos, mas lembre-se que a idéia é facilitar a vida do usuário de forma que ele não precise usar programas exóticos para acessar um mísero documento do Word ou do Openoffice.

Com relação a latência e velocidade é bom lembrar que isso é problema da sua conexão. E este realmente ainda é o “calcanhar de Aquíles” do Cloud Computing, então você não está sozinho nessa. Se você quiser sugerir uma nova idéia a partir daí é só dizer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.