Sai nano, entra o Midnight Commander…

A última versão do Debian – codinome Lenny – veio com um bug que força o ‘Midnight Commander’ a usar o editor de textos Nano, ao invés do seu editor próprio. Após algumas tentativas eu consegui solucionar o problema com a mudança de apenas um link simbólico.

Desde o início da minha história com Linux eu sempre fugi da “guerra santa” travada entre os defensores do Vi e dos fieis ao Emacs. Por conta disso eu sempre usei o editor de textos Pico, que depois de alguns anos passou a ser o Nano e até que um dia eu descobri o Midnight commander, ou apenas ‘mc’, para os íntimos.

O ‘mc’ é uma interface em modo texto similar ao antigos gerenciadores de arquivos para MS-DOS que existiam nos idos anos 80. Li em algum lugar que ele se assemelha ao antigo Norton Commander, ou Norton tools, ou sei lá… um Norton *, da família Norton ;). Como naquela época eu só havia usado o PC Tools para este fim não sei afirmar se é verdade ou não.

Mas não importa, o caso é que este carinha exibe seus arquivos em dois paineis lado-a-lado e você pode fazer tudo o que faria pelo Nautilus, Konqueror, Windows Explorer ou qualquer outro gerenciador de arquivos para ambientes gráficos, só que em modo texto e sem precisar digitar um comando sequer.

Quando o conheci no tempo que ainda estava engatinhando com o Redhat 7.2 (acho que em 2003 ou 2004), foi amor a primeira vista. E por que? tente copiar 2GB de arquivos de um lugar para outro usando o gerenciador de arquivos em modo gráfico de sua preferência e depois faça a mesma cópia usando o ‘mc’. A velocidade é infinitamente maior em modo texto. Sem contar que é muito mais cômodo você teclar F4 para editar um arquivo instantaneamente, do que dar duplo clique e esperar alguns segundos.

Desde o lançamento do Debian Lenny 5.0 e Ubuntu Jaunty Jackalope 9.04, eu notei que frustrantemente ao teclar F4 o editor Nano é exibido ao invés do mcedit (editor interno do Mc). Embora o Nano seja legal e prático ele usa um outro conceito, outra filosofia, outras combinações de teclas e em fim… eles não nasceram um para o outro. Após vários testes e procura pelo sistema finalmente eu encontrei o X da questão.

Nos Debian-likes, o editor de texto padrão do sistema é definido através de um link simbólico em /etc/alternatives/editor. Mudar este link para o editor de sua preferência fará com que praticamente todo o sistema chame este editor. Desta forma, o comando a seguir faz com que o Editor de Textos do Midnight Commander seja o seu editor de textos principal.

sudo ln -fs $(type -p mcedit-debian) /etc/alternatives/editor

Pronto. Agora quando você precisar de um editor de textos, este editor ali definido será chamado. E com efeito, ao teclar F4 no mc, o mcedit será exibido sem problemas.

Um detalhe importante é que se você definir o link para /usr/bin/mcedit por algum motivo que não procurei justificativas, ele não funcionará. Então o link deverá ser obrigatoriamente para /usr/bin/mcedit-debian.

Outro detalhe. Se você nunca experimentou o Midnight Commander e deseja conhece-lo, você precisará instalá-lo via Synaptic (em modo gráfico) ou aptitude (pelo terminal).

sudo aptitude install mc

Após a instalação, basta digitar “mc”, na linha de comandos e divertir-se com o seu gerenciador de arquivos novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.