Compartilhe mouse, teclado e área de transferência com Barrier

É comum eu trabalhar com um desktop e manter um ou dois notebooks abertos ao lado na mesma mesa para tarefas auxiliares, no entanto, alternar entre os teclados distintos ou mesmo deixar o mouse para manipular touchpad acaba sendo improdutivo. É ai que entra o Barrier, um software permite compartilhar um teclado e o mouse com vários computadores e de “brinde” ainda compartilha a área de trabalho de todos eles.

O Barrier é uma ferramenta de código aberto derivada de uma outra já mais antiga chamada de Synergy. Esta última um dia já esteve disponível para uso gratuito mas em algum momento decidiu fazer um fork do código disponibilizando o chamado “synergy-core” e que foi a origem para o Barrier, mantendo o restante como ferramenta comercial, no entanto a versão opensource não deixa nada a desejar.

O seu uso é bem simples e intuitivo. Uma vez instalado, simplesmente mova o mouse até o canto da tela na direção onde está o outro computador que o seu ponteiro aparecerá lá na outra máquina. Quando ele estiver lá, não só o mouse será controlado, mas tudo o que você digitar, copiar ou colar da área de transferência será realizado nesta segunda máquina.

Instalação

Disponível para Windows (somente 64bits), Linux e Mac OS X, você deverá instalar em todos os computadores que farão parte da sua mesa de trabalho, sendo um deles configurado como “servidor” (este será o que tem mouse e teclado) e todos os demais configurados como “clientes”.

A instalação no Windows, se resume ao download seguido de um pequeno “next-next-finish”. Para Linux, você pode usar o gerenciador de pacotes da sua distribuição preferida, ou se desejar usar os pacotes Snap e Flatpak conforme sua preferência. Já no Mac OS há uma pacote “.dmg” disponível para instalação e logo no primeiro uso um breve assistente deverá ser iniciado.

Ao iniciar o Barrier pela primeira vez um assistente bastante espartano te dá as boas vindas

Durante a configuração do primeiro uso você deverá informar se este computador onde a instalação está sendo feita, se comportará como servidor ou como cliente.

Escolha a função do seu computador conforme necessário. Server é aquele que vc usará o mouse/teclado para controlar os demais

A configuração tanto do cliente quanto do servidor são bem simples. No cliente, há uma opção de “autoconfig” onde espera-se que a própria aplicação localize o endereço do servidor na rede sem que precise qualquer outra configuração, mas desde o tempo que comecei a usar o Synergy (isso já há quase 10 anos) eu nunca vi funcionar direito, então se ocorrer com você também, desmarque esta opção e informe manualmente o endereço IP da máquina que será o servidor.

Já no servidor, você precisa configurar interativamente seu computador, caso ainda não tenha um arquivo de configuração salvo.

Escolhendo “Server” você deverá configurar o servidor interativamente

A configuração interativa se resume a adicionar uma tela para cada cliente e informar os seus nomes. A posição que você coloca uma tela corresponde a direção que você deverá levar o mouse para que ele “magicamente” salte do seu monitor principal para o do outro computador.

Arraste o ícone do monitor para a posição desejada na grade definindo assim a posição onde as máquina estão fisicamente em relação ao computador central ( o servidor)

Duplo clique sobre a tela já posicionada permitirá definir o nome dela. Aqui é importante que você escreva o nome exatamente como foi exibido lá na configuração do cliente, ou do contrário o software não encontrará o seu computador na rede.

Duplo clique sobre a tela já posicionada permitirá informar o nome da máquina associado àquela tela

Todos deverão estar na mesma rede e obviamente ao alcance dos olhos, pois não há compartilhamento de vídeo.

A única limitação que encontrei ao longo dos meses que voltei a usar esta ferramenta, foi a impossibilidade de instalá-la no Windows 32bits, versão esta que é comum em máquinas que vieram com o já antigo “Windows 7 Starter” e na atualização para Windows 10 receberam o upgrade para o “Win Home 32bits”. Neste caso, se sua máquina possui um processador com suporte as instruções de 64bits, seria uma boa sugestão migrar para Windows compatível com sua arquitetura, mas isso é assunto para outro papo.

Referência

Barrier Wiki https://github.com/debauchee/barrier/wiki

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.