Quero trabalhar com computador. Por onde começo?

Esta é uma pergunta que com certa frequencia me vejo respondendo pessoalmente, por e-mail, redes sociais, comunicadores ou qualquer outro modo que algum aspirante a sysadmin ache mais confortável a me perguntar, então para ajudar aqueles que já se fizeram esta pergunta mas não tiveram a quem perguntar então vai algumas dicas.

Do “menino do computador” ao doutor

Já se foi o tempo que a área de TI não era mais do que um rapaz de óculos de aro grosso, com camisa preta do Iron Maiden e calça jeans, a quem se recorria sempre que surgia um problema no computador -qualquer que fosse ele.

Desde o computador não liga até o “cadê os meus arquivos?” (depois de ter se medito a malandro e formatar o disquete com o texto que você passou a noite digitando no editor Wordstar).

Assim, antes de responder a pergunta que me propuz a responder, eu gostaria de fazer um comparativo da área de TI com a área de saúde, pois há aqui alguma semelhança que precisamos absorver.

Ninguém que tenha problemas urinários vai direto a um neurologista; da mesma forma quem esteja com dores abdominais não recorre ao dermatologista.Certo? Na pior das hipóteses quando não se sabe a quem recorrer vamos a emergência, ou ao clínico geral, onde seremos encaminhado para o profissional certo.

Assim como na medicina, na TI temos este conceito, onde cada profissional tem sua especialidade. Hoje não se deve procurar um analista de redes para reinstalar a sua impressora e nem DBA para configurar o proxy no seu navegador.

E ainda mais. Um profissional pode ser “superespecializado”em um único software. Por exemplo um administrador de bases de dados pode ser especialista apenas em sistemas Oracle ou apenas de sistemas Microsoft SQL server etc. Isso acontece também na área de desenvolvimento onde um programador só desenvolve em Java, ou só em C#, ou mesmo PHP etc; na área de virtualização onde se lida apenas com Vmware, ou somente com Citrix Xen server ou outro.

Seguindo a minha ideia comparativa é bem o que acontece na área de saúde onde há, por exemplo, cardiologistas especializados em crianças, especializados em idosos; ou mesmo; fisioterapeutas especializados em esporte; ou somente em dores de ombro, ou só joelho e por ai vai.

Veja então que cada um tem o seu “quadrado”. Embora – como na medicina – o analista ou técnico possa ter conhecimentos em diversas áreas, ele em geral será um especialista em apenas algumas ou até mesmo apenas uma.Como já dizia meu falecido avô. “ninguém pode ser bom em tudo”.

Apesar do que disse, fica aqui uma recomendação importantissima. Especialize-se, mas não se limite. Se você quer se especializar, por exemplo, em redes de computadores Linux, saiba que em algum momento você precisará configurar uma máquina Windows ou Mac na sua rede e se você não souber como fazê-lo isso pode ser o motivo que seu chefe esperava para te substituir.

Então por onde começar?

Estamos de volta a pergunta original, mas agora com o conhecimento de um pequeno detalhe. É preciso se especializar. A menos que você queira ser para o resto de sua vida o analista de rede que troca o mouse, instala impressora e desenvolve programas de contas a pagar e receber da empresa, você terá que estudar muito e se especializar cada vez mais.

Obviamente, você terá que começar do básico e muitas vezes isso significa ser bem generalista. Não adianta você querer ser gerente de redes Linux se você não conhece nem mesmo quais são as camadas OSI e nem de que se trata isso. Correr para se especializar em bases de dados PostgreSQL sem nem saber diferenciar uma tupla de uma relação, nem se fala.

Assim, sendo mais direto, você precisa obter informações básicas sobre a área que pretende atuar. No caso de redes de computadores, comece estudando por topologia, endereçamento, roteamento etc. Tudo em nível bem básico o que se consegue em qualquer blog amador ou livros e anotações de aulas.

Depois procure textos que o mostrem como fazer uma configuração de rede básica entre dois computadores. Caso não tenha dois computadores para testar você poderá simular a existência deles a partir de um sistema virtualizado como o Virtualbox que é bem simples e de fácil aprendizado. Instale duas ou mais máquinas virtuais e treine faze-las “se falar” através da rede virtual.

Feito isso você já tem as pedras para calçar sua longa jornada. Agora é a vez de começar a pensar qual será o seu destino. Se pretende ser DBA, instale serviços de bases de dados nestas máquinas virtuais (MySQL, PostgreSQL, Oracle, Firebird ou o que preferir) e a partir de então todo o seu estudo se voltará para esta área. Textos relacionados àquele SGBD que você escolheu.

Se é programação, instale as ferramentas necessárias. Teste as melhores, veja quais são as mais recomendadas por quem já tem experiência.

Caso pretenda trabalhar com servidores Web, você deverá estudar um pouco sobre cada um (Microsoft IIS e Apache são os mais populares mas existem outros também). Escolha o seu rumo vá em frente.

O mesmo é válido para qualquer outra vertente que você escolher. Instale o software e devore textos sobre ele. Não deixe de fazer anotações, entrar em grupos de discussão sobre a ferramenta escolhida para trocar experiência; se necessário comprar livros, participar de cursos, simpósios, congressos etc.

E o material para estudo? Compro livros?

Na época do curso técnico e da faculdade nós adoramos livros, mas a verdade é que na área de TI as coisas evoluem muito rápido então, pagar 200,00 em um livro sobre determinado software pode ser um desperdicio (opinião minha. Você não precisa concordar com isso).

Sempre que uma nova versão de um determinado software for lançada ela virá repleta de recursos novos e que aquele livro da versão anterior não vai cobrir. Ou seja vai ser mais um livro encostado na sua prateleira que não terá muita utilidade nem pra você e dentro de pouco tempo pra ninguém. Só como exemplo, você conhece alguém que depois do lançamento do Windows XP, tenha lido algum livro sobre Windows 95 ou mesmo sobre o Windows 3.11?

Livros sobre teorias tendem a ser fonte de consulta mais duradoura. Então é válido comprar livros sobre fundamentos de bases de dados, topologia de rede, técnicas de segurança de redes etc. Este conhecimento você vai precisar por muitos anos e mesmo quando houver uma atualização nos conceitos eles ainda servirão fontes de consulta por vários anos. Exemplo disso é o IPv6 que embora tenha chegado timidamente, já está em produção a muito tempo (até este blog já é acessível por IPv6!), mesmo assim, livros sobre IPv4 ainda serão vendidos por muito tempo.

Aprendendo pela Internet

Para aprender sobre determinado programa que você tenha interesse consulte o todo poderoso “Google”. Não importa qual seja o software que vier na sua mente. Há muita informação sobre ele espalhada na Internet e neste ponto o Google vai ajudá-lo a encontrar todas elas.

Não esqueça de procurar por grupos de discussão também. Quase todo bom software possui um grupo de discussão, uma lista, um fórum, um canal de chat etc. Participe nem que seja apenas observando, lendo e absorvendo o conhecimento. As dúvidas que muitos terão e perguntarão ali, certamente poderá ser a resposta para uma dúvida que você terá daqui a algumas horas.

O os cursos?

Cursos são bons por três motivos. O primeiro é que te dá aquele “gás inicial” para você entender a conceituação do programa, coisa que algumas vezes é difícil dese encontrar com textos na Internet;

O segundo é que ele vai deixá-lo em contato com alguém que realmente entende do assunto para tirar dúvidas que você tenha (mas neste caso você deverá fazer o curso depois de já ter ao menos feito alguns testes com o software em questão);

E por fim, muitas vezes não vale escrever no currículo que você é auto-didata. Algumas empresas fazem questão de ver o certificado emitido nem que seja pelo seu João da Padaria dizendo que você estudou aquela ferramenta por algumas horas.

Resumindo

A área de TI requer especialização e se você ler com carinho todo este texto novamente verá nas entrelinhas que isso significa dedicação e estudo continuado até o dia de sua morte ou aposentadoria. Se você não gosta de ler e de estudar a área de TI é um péssimo negócio para você. Agora, se você gosta de estudar e já decidiu que este será o seu caminho então estão ai as dicas iniciais.

2 comentários em “Quero trabalhar com computador. Por onde começo?”

  1. hehe, eu realmente pensei nesta comparação, mas eu acabaria tendo que entrar por mais uma vertente esticando o texto cada vez. Mas acho que ficou implícito. E ainda com o seu lembrete vai fazer com que se pense como tal.

Deixe uma resposta para Welington Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.